7 de julho de 2008

Os políticos e suas histórias malucas

Em qualquer lugar do mundo os políticos tem uma tendência incrível de se meter em confusões e histórias mal-contadas, especialmente se tratando de questões sentimentais/conjugais. Aqui mesmo no Brasil os exemplos são fartos, indo de ex-Presidentes da República, passando por ministros, senadores, deputados e demais congêneres. Mas a história que eu quero narrar aconteceu nos Estados Unidos. Vocês dirão: "Ora, lá é que esse tipo de coisa acontece com frequência...". Sei disso, mas os detalhes desta valem a pena.

Tudo começou em maio deste ano quando o Representante (deputado federal) Vito Fossella, que ocupava uma cadeira pelo distrito de Staten-Island, Nova York, foi detido em uma blitz de trânsito. Fossella, o único republicano da bancada do estado (alías, de toda a Nova Inglaterra), avançou um sinal vermelho no estado da Virgínia, claramente bêbado. Para os guardas, ele alegou que estava indo ver "meu filho doente". Ocorre que a casa de Fossella fica em Staten-Island, totalmente fora do trajeto. Minutos depois, como o carro e a carteira de motorista ficaram retidos, Fossella foi resgatado por uma misteriosa mulher. Ela foi posteriormente identificada como uma ex-coronel da Força Aérea americana, mãe solteira de uma menina de três anos.

A partir daí o mundo de Fossella começou a desabar, e o até então defensor dos valores tradicionais e conservadores foi obrigado a desistir de concorrer a reeleição em Novembro próximo.

Se a história parasse por aqui ela seria apenas mais uma entre muitas do mesmo tipo. Mas os desdobramentos foram, no mínimo, estranhos.

A direção local do Partido Republicano convenceu um empresário milionário, Frank Powers, a candidatar-se à vaga de Fossella. Powers poderia bancar sozinho quase toda a campanha e era razoavelmente conhecido no distrito. Entretanto, a coisa ficou engraçada quando o filho de Powers, Frank Jr. , resolveu concorrer contra o pai pelo Partido Libertário (sim, isso existe!). Os republicanos ficaram alarmados com o espectro de uma luta pai X filho, e só acalmaram-se quando Frank Jr. perdeu a eleição primária dos libertários.

Tudo então parecia caminhar tranquilamente quando, em 21 de junho, Frank Powers sofreu um ataque cardíaco fulminante e veio a falecer.

Resumindo, o prazo final para a indicação dos candidatos é no próximo dia 10 de julho, e até agora os republicanos não conseguiram achar ninguém para se candidatar ao que parece ser uma cadeira maldita.

E os democratas estão deliciados vendo a eleição cair no seu colo...


5 comentários:

Monsores, André disse...

Hummm...

Analisando meio que de soslaio, eu diria que isso parece obra da civilização do planeta Democrívectus. Lá vivem seres parecidos conosco que se alimentam de políticos em ascensão. Há ainda uma teoria antiga que os habitantes desse planeta que encomendaram a morte dos Kennedy, Getúlio e JK - mas esse último não foi comprovado.

DarwinistO disse...

Hahahahahahahahahahahahahahahaha...

Monsores, você deveria escrever um livro de ficção comico-científica!

anrafel disse...

História política tragicômica da civilização.

Aqui, da barbárie-decadência, vou contar uma apenas trágica.

Há um ano, foi assassinado um funcionário da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador enquanto fazia serão num sábado.

Descobriu-se que foram os dois vigilantes de plantão naquele dia.

Investigações, interrogatórios, os vigilantes apontaramm duas ex-servidoras da secretaria (ex-sub-secretária municipal e ex-consultora técnica), que atuavam no setor de contratos e licitações, como mandantes.

Transcorreram as investigações e foram descobertas mil maracutaias, coisas que consolidariam a tese da autoria intelectual para as ex-funcionárias.

(O servidor morto era da seção de auditoria e contabilidade).

Pois então, os vigilantes foram denunciados pelo Ministério Público e o juiz Moacir Pitta Lima aceitou a denúncia e os caras vão a júri popular.

Quanto às duas ex-funcionárias, o meritíssimo não as pronunciou. Responderão a crime de improbidade administrativa.

Pois é, aqui na Bahia mandar matar alguém pode ser apenas delito administrativo.

Fecho com duas frases:

"Conte-me um absurdo e eu lhe mostrarei um precedente na Bahia"
(Otávio Mangabeira, ex-governador).

"A Bahia é o Brasil levado às últimas consequências" (Armando Oliveira, jornalista).

anrafel disse...

O Ministério Público está pedindo o afastamento do juiz do caso.

Por fazer parte do cadastro de jurados do Tribunal de Justiça, frequento o Forum com alguma regularidade, mas não conheco o tal juiz.

Não sei dizer de qual grupo ele faz parte: se dos que acham que são Deus ou dos que têm certeza.

Luiz disse...

anrafel,

Não sei se você lembra da história de um juiz aqui do Ceará (mais precisamente de Sobral) que cerca de dois anos atrás assasinou um vigilante de supermercado com um tiro pelas costas, e cuja cena foi gravada pelo circuito interno da loja.
Ele pegou 15 anos de prisão, mas cumpria a pena no quartel dos Bombeiros, com toda a mordomia.
Cumpria, porque o diabo resolveu convocá-lo antecipadamente dois dias atrás.
Alguma justiça se fez...