20 de janeiro de 2009

Acaba hoje, finalmente


Foram oito e quase intermináveis anos de (des)governo de George Walker Bush.

Análises sobre o significado desta era estão pipocando em todo canto, e muitas mais ainda aparecerão. Até porque muitos dos descalabros só vão ser revelados nos próximos meses e anos.

Pessoalmente, já deixei claro inúmeras vezes o quanto essa figura nefasta e seus acólitos me dão ânsia de vômito, com todo o mal que praticaram dentro e fora dos EUA.

O que pretendo neste post é que cada um dos leitores expresse sua opinião sobre a figura que hoje deixa a Casa Branca.

E não se reprima nessa hora. Solte o verbo. Se quiser, baixe o nível, não tenha pena. Pode pegar pesado.

É a hora da vingança, de soltar tudo aquilo que ficou preso dentro de nós por tanto tempo.

Mãos à obra.


P.S. A foto aí em cima é genial...


4 comentários:

DarwinistO disse...

W. Bush presidente é uma das grandes evidências de que o ser humano se esforça ao máximo pra ser completamente medíocre. Em nome de ideais e ideias estapafúrdios, egoístas e cretinos, permitem que tal jumento assuma o posto mais importante da nação mais importante do mundo.

Na verdade, sapatada mereceriam todos os que elegeram o energúmeno. O eleitorado norte-americano é o verdadeiro vilão. E nem adianta eleger Obama, essa mancha nunca limpará.

Barbosa disse...

Senhor Bush Filho da Puta. Se "réi"...

Tudo de péssimo pra ti...

anrafel disse...

O mínimo que Bush merece é umas sessões de caça com o seu vice Dick Cheney.

Capricha, Dick.

Pax disse...

O Bush, como todos, merece a História. Ele e seus principais acessores, o Cheney e o Rumsfeld.

Ela, a História, é a senhora da razão.

Nossos julgamentos são efêmeros. Mas o meu é parecido com o de vários por aí: o pior de todos os tempos.

Como já foi dito pra todo lado, Abu Ghraib, Guantánamo e as mentiras do Iraque são um cuspe em cima dos próprios valores americanos. Com certeza quem mais perdeu foram os mortos dessa presidência, mortos para todos os lados, inclusive americanos. A autoestima do povo americano sofreu um golpe fortíssimo além do antiamericanismo em alta, só comparável aos tempos de guerra fria, acho, tudo por causa de um presidente belicista e com personalidade fraca. Deu no que deu.

Hegemonia é militar, econômica e cultural. Só a militar ainda não apresenta declínio, segundo uma interpretação simplista, mas a econômica e cultural estão em baixa. Representa o início do fim desse império?

Para pensar.